UMA SEGUNDA CHANCE DE UM PARABÉNS!


O De Menina a Mãe completou seu 5º aniversário.

E hoje, mais do que nunca, agradeço de todo meu coração, primeiramente a Deus por poder comemorar essa data.

Na verdade, eu agradeço por poder comemorar cada novo dia. Algo que eu deveria ter feito com mais frequência durante minha vida inteira, mas às vezes, só com os "baques" da vida é que a gente se dá conta que precisa dar mais valor a cada pequena coisa que vivemos, sentimos, ganhamos, como um abraço, um sorriso, uma palavra amiga, um bom filme, o céu azul...


Hoje eu não quero ficar contando dos anos que já vivi com o blog, as experiências que tive, os aprendizados, as lutas, os anseios.... Não. Hoje eu quero contar para vocês, como Deus me permitiu comemorar mais um aniversário desse espaço que eu amo!


Tudo começou com.... a vida.
Ela às vezes, não acontece da maneira que a gente sonha e por isso acabamos nos frustrando.
Eu estava passando por momentos de muitos questionamentos. Não estava feliz, completamente feliz.
Faltavam algumas coisas se ajustar para que eu enfim pudesse me alegrar.
Eu sempre fui uma pessoa ansiosa e que quer tudo agora e já.
E eu queria ser uma boa professora. Queria exercer a função pela qual dediquei (e dedico) anos de estudo, da melhor maneira possível. Mas eu também queria o reconhecimento, queria os louros, porém a cada ano fui percebendo quão ingrata é a profissão que escolhi para mim.
Estava à ponto de largar tudo se algo melhor aparecesse. Eu realmente estava no meu limite.
Isso me acarretava muitos problemas, emocionais e físicos. Muitas dores de cabeça, dores no corpo, sempre ficando doente...


Em um belo dia, fui com a família na feira, comer pastel. Os meninos adoraram e logo depois fomos comprar umas tapiocas para a sobremesa.
Tudo isso em uma hora.... Uma hora para que eu vivesse uma experiência um tanto quanto triste.
Ao voltarmos para o carro, cadê ele? Levaram o nosso carro. Aquele que demoramos para conseguir comprar, que finalmente seria o "carro da família", que nos deu um trabalhão para tê-lo, afinal foram dois meses para que conseguíssemos ver a cara dele! Com 8 meses de uso, ele nos foi tirado, sem permissão. Dentro deles coisas que graças a Deus conseguiremos substituir, mas coisas cujas histórias eram mais importantes do que imaginávamos...

- Mãe, meu chapéu de Woody estava no carro que o ladrão levou, estou muito triste!

 Arthur e o papai haviam feito esse chapéu juntos, há uns 3 anos, para um evento da escola e Arthur o amava...

Roupas que carregaram Arthur e Matheus e estavam lá para serem ajustadas para que eu continuasse a usá-las...
Meu semanário, o primeiro caderno que comprei quando passei no concurso há 6 anos atrás e prometi ser o primeiro caderno que usaria quando tivesse a minha sala de aula. Meus projetos, anotações... Todo ano, se foi...
Fora isso, cadeirinhas, carregador, uma bolsa de maquiagem, livros...

 Quando percebi o que tinha acontecido, agradeci.
Agradeci por não estar lá no momento. Por eu e minha família termos nos livrado de algo muito pior.
Agradeci por lembrar que todos os meses eu murmurava e reclamava da parcela do seguro que precisava ser paga!
Agradeci por ter meus pais e sogros por perto e perceber que família é o bem mais precioso, pois eles largam tudo por mim, meu marido e meus filhos.

Mas que isso mexeu comigo, ah mexeu...
Acordei no dia seguinte, mal. Muito mal.
Naquele domingo a única coisa que fiz foi ficar deitada. Meu corpo doía, minha cabeça ia explodir a qualquer momento!

 Eu sou assim, somatizo e externalizo tudo o que vivo através do meu corpo.

 Na madrugada de domingo para segunda, pedi que meu marido me levasse ao hospital. Eu sabia que algo não ia bem, mas achava que lá eu receberia um diagnóstico certo, uma receita com o que eu deveria tomar e também já tomaria alguns remédios direto na veia.
Assim foi. A médica, uma clínica geral, me disse que a garganta estava inflamada. Eu tomaria uma mistura de antibiótico e anti-inflamatório por uma semana e ela me deu três dias de afastamento. Era tudo o que eu precisava: descansar!
Segunda-feira eu senti que a febre (que chegou a 40°) estava indo embora, mas eu não conseguia me alimentar. Eu tinha uma consulta com um otorrinolaringologista mas não consegui ir, não conseguia fazer nada. Remarquei para quinta-feira, quando minha licença terminasse e o doutor poderia me dizer se eu já estava bem ou não.
Terça-feira a febre começou a voltar. Eu já não comia a quase três dias e comecei a tremer. Minha boca doía, eu corria para o banheiro para cuspir a saliva pois não aguentava a dor de engoli-la.
Não dormi nada. Deitei na cama e parecia que minha cabeça ia explodir. Senti a dor na garganta subir para o ouvido e logo pensei: Meningite. Orei muito à Deus, para que Ele me confirmasse se era necessário eu voltar ao hospital, ou se deveria esperar a consulta de quinta feira.
Quando a manhã de quarta feira chegou, Matheus veio ao meu quarto chorando, pedindo por mim.
Eu já muito estressada, levantei e fui para a sala. Eram por volta das 5 da manhã.
Meu marido percebeu a movimentação, acordou e me viu, mal... Disse que eu precisava voltar ao médico e meu pai se prontificou a me levar.
Chegamos por volta das 7:30 e na triagem me disseram que uma otorrino poderia me atender às 8:00. Resolvi esperar.
Assim que entrei no consultório e relatei tudo o que estava sentindo desde o domingo, ela me pediu que abrisse a boca. Analisou, viu com muita cautela e disse:


- Vou te dar uma medicação aqui mesmo para a dor. Mas preciso que você faça um exame de sangue e uma tomografia. Acredito que um abscesso tenha sido formado na sua amígdala. Se for isso mesmo, você precisará ser internada para tomar uma medicação aqui no hospital, para acabar com a infecção. Caso não funcione a gente vai precisar drenar, mas não sei se será necessário.

 Passava do meio dia quando ela me chamou na sala com os exames.

- Realmente temos um abscesso. Já estou fazendo a papelada da internação e o pedido para iniciarem a medicação.

No meio da tarde, eu ainda não tinha um quarto disponível. Me aconselharam ser transferida para outro hospital, mas decidi esperar.
Me trouxeram comida: torradas e bolachas secas sendo que nem saliva eu conseguia engolir. Meu marido conseguiu me trazer um purê e aquele foi o meu almoço.
Enquanto eu esperava, senti algo se mexer na minha garganta. Parecia que aquela “bola” que eu sentia, havia saído de onde estava, senti ela descer. Na minha cabeça, ela estava “indo embora” (ufa!).

 18:30 subo para o meu quarto, número 315. Ainda não havia iniciado a medicação.
Assim que entro, um médico vem conversar comigo:

 - Eu sou da equipe de cirurgia de cabeça e pescoço, às 22 horas você entrará em jejum e amanhã pela manhã fará a cirurgia para drenar o abscesso.

 Um choque! Como assim? Cirurgia? Drenar? Mas primeiro não teríamos que tentar a medicação?
E ele começou a me informar sobre os riscos que eu corria, primeiro com aquele abscesso na garganta que estava de locomovendo (lembram que havia sentido mexer?) e corria o risco de ir para o pulmão, depois os riscos da cirurgia, uma hemorragia, uma traqueostomia e por fim, as sequelas que eu poderia ter em decorrência da cirurgia como perda de movimentos faciais.

 Eu só queria chorar.

Meu pai estava comigo nesse momento e acho que ele pensou na mesma coisa.
Ele simplesmente se levantou dizendo: - Vou pegar a sua mãe.
E saiu. (Ele me disse que precisava chorar e por isso voltou para casa, chorando)
Eu chorei. Eu desabei. Pensei nos meus meninos, Marco, Arthur e Matheus.
Pensei nos meus pais, nos anos de espera para me ter.
Pensei na vida, nos amigos, no trabalho, nos sonhos...
Nessa hora Deus falou comigo. Através de amigos, de palavras de conforto e de uma certeza que preencheu meu coração: tudo daria certo.

Na quinta pela manhã fui para o centro cirúrgico e conheci meu médico (que graças a Deus não era o médico da noite anterior). Ele me tranquilizou e me garantiu que tudo daria certo, assim como Deus havia me falado na noite anterior.

Acredito que tenha levado mais de uma hora para terminar, pois entrei na sala para a cirurgia por volta das 11 da manhã e acordei ainda lá e em menos de 20 minutos já estava em meu quarto e vi que o relógio marcava 13:25.

Tinha dado tudo certo.

O médico havia dito aos meus pais que o abscesso era realmente grande e que ele drenou muita coisa e por isso precisou realizar o procedimento por dentro (pela boca) e pelo pescoço. E disse que o grande risco da cirurgia era a chance de uma hemorragia, mas que saíram apenas duas gotas de sangue.
No final ele disse que sim, eu havia me livrado de uma... e das grandes!

- Vocês têm uma filha abençoada!

Agora eu precisava continuar com a medicação para que qualquer resquício de bactéria acabasse, pois o local era muito próximo ao coração.
Foram doses (muitas doses) diárias de dois antibióticos, muito corticoide, remédio para dor.
Inchei muito, 6 quilos.
Sessões diárias também de câmara hiperbárica, porque sim, a infecção foi grave. E mais 10 sessões depois de voltar para casa,

Depois de 5 dias tive alta.

Depois de 5 dias pude ver meus filhos e voltar a viver.

A infecção foi controlada.

Agora preciso me recuperar. Do susto, da enxurrada de medicação, da cirurgia...

Cicatrizes precisam se formar, para que eu possa enfim voltar à vida “normal”.

E foi por isso que Deus, me concedeu uma nova chance de comemorar as coisas da vida, como o aniversário do meu amado e querido blog!



DICA PARA HIDRATAÇÃO DA PELE E CABELO

Atenção, não deixem de hidratar a pele e os cabelos, os danos podem ser irreversíveis!

Se você se deparar com uma frase como essa, calma, é só para chamar a sua atenção e dizer que, quanto mais cedo começar a cuidar da sua pele e dos seus cabelos, melhor para prevenir das agressões do vento, sol, poeira cloro, produtos químicos e tudo o mais.
Manter a hidratação da pele e dos cabelos em dia não é algo tão difícil que lhe impeça de reservar alguns poucos minutos diários e uma vez na semana investir um pouco mais para dar atenção diferenciada e fazer um tratamento mais profundo.
Não há ingredientes mágicos nem super produtos disponível no mercado, mas se pode encontrar solução básica, segura e que dê bons resultados com tratamento certo, que além de hidratar, evita ressecamento e rachaduras na pele.

Tratamento com óleos essenciais são uma ótima opção para a hidratação, com o mesmo óleo é possível hidratar o corpo e os cabelos. Antes vamos falar sobre a principal dúvida em relação ao uso de óleo natural para hidratação, esclarecendo que o fato de ser óleo essencial, não deixa os cabelos nem a pele oleosa, o que seria muito desagradável ficar com a pele escorregadia e grudenta.

Longe disso, a extração dos óleos essenciais é feita diretamente da planta com uma técnica de destilação, cuja finalidade é apenas retirar a essência, a substância orgânica cultivando a concentração das propriedades curativas.
Para hidratar os cabelos com óleo natural, lave os cabelos como de costume, seque um pouco com a toalha para tirar o excesso da água, espalhe um pouco de óleo nas mãos e aplique nos cabelos. Coloque uma touca de banho e tome o banho naturalmente.
Quando terminar, tire a touca, coloque um pouco do óleo essencial nas mãos e espalhe pelo corpo úmido. Abra o chuveiro, deixe cair nos cabelos e corpo com jato rápido. Sem seguida pode se secar.

Os óleos essenciais podem ser usados também para ação terapêutica, quando aquecidos, exalam o aroma que descongestiona os poros, tem ação relaxante, auxilia no equilíbrio do sistema imunológico fortalecendo as defesas naturais do corpo.
A ação terapêutica dos óleos essenciais foi comprovada há muitos anos, prova disso que na Europa esse procedimento é usado há mais de 80 anos com benefícios comprovados. Os europeus não usam óleos apenas para hidratação, mas também nos tratamentos de saúde como terapia auxiliar.

4 DICAS PARA SE PREPAR PARA O PARTO

Depois de duas experiências completamente diferentes, eu aprendi que parto é para ser vivido e que nem sempre aquilo que planejamos acontece, mas a certeza é que esse é um dos momentos mais importantes na vida de uma mulher, então ela precisa estar sim preparada! Tanto para o previsto quanto para o imprevisto!
Imagem retirada da internet
Sendo assim, reuni algumas dicas que eu acho fundamentais para que uma mulher se sinta segura e preparada para o momento do nascimento do seu bebê! Vamos à eles:

1) Tenha um PLANO DE PARTO

O obstetra que acompanhou a gestação do Matheus me disse algo que me marcou muito durante a consulta em que levei o meu plano de parto (tem post aqui contando como eu preparei o meu):
- Eu acho sim super importante que a mulher tenha um plano de parto, mas que ela não se apegue a ele pois parto é mais surpresa do que certezas! Viva o seu parto! Esteja preparada, mas viva-o intensamente!

E isso fez muito sentido pra mim. Eu tinha me apegado tanto nas "condições" que escrevi lá que esqueci do mais importante, deixar o momento acontecer!

Mas sim, eu acho importante que a mamãe tenha o seu plano, pois através dele ela aprenderá um pouco mais sobre o momento e as coisas que podem (ou não) acontecer.Nele, ela pode expressar seus desejos, como a música que quer escutar, se quer entrar na água ou não, os procedimentos que aceita ou não receber, até porque no momento do parto estamos, geralmente nervosas e parar para pensar nesses detalhes não é a nossa prioridade!

Ah! Saiba também que podemos mudar de ideia durante o parto! E, por exemplo, queria ficar na banheira, mas na hora do parto, a água me dava agonia e eu quis distância dela!

2) Prepare seu PSICOLÓGICO

É muito importante estar calma e tranquila esperando pelo parto e saber que sim, você sentirá dor, ficará mais vulnerável e muito sensível!
Então é essencial buscar por BOAS INFORMAÇÕES, ir atrás de um conteúdo de qualidade sobre parto, pois hoje o que não faltam são mentiras disseminadas pela internet e muito "pavor" para amedrontar as mães. Sendo assim, a equipe que vai te acompanhar tem um papel importantíssimo pois ela te dará a confiança e segurança durante toda a gestação o que culminará em um parto saudável!
A troca de experiências é uma ótima oportunidade de se preparar também! Ouvir histórias e relatos dará uma visão parcial do que pode acontecer, mas lembre-se, você, seu corpo e seu bebê são únicos portanto o seu momento será único também!
Quando estamos psicologicamente preparadas, nos empoderamos e nos damos conta do quão forte e capaz somos! (E após o parto triplicamos esse sentimento!!)

Olha que interessante, quando engravidei do Arthur, imatura de tudo, segui fielmente as regras do médico, mais um daqueles "cesaristas" que fazem de tudo (ou fazem nada) para te levar a uma cesárea. Na época, não fui atrás de informações e acreditava em tuuuudo o que ele dizia. Vejam, aqui, o relato do meu primeiro parto. Relendo, meu estômago até embrulhou...
Aqui, faço um relato desse parto após buscar informações de qualidade...Vejam a diferença!

Tenho certeza de que meu preparo psicológico durante a gestação foram essenciais para que eu conseguisse encarar o parto surpresa do Matheus tão bem!

3) Prepare seu CORPO
Apesar de saber o quanto a natureza é perfeita e faz com que o nosso corpo responda aos "chamados" da hora do parto, eu acredito que um bom preparo físico contribua muito para um parto mais "tranquilo".
Ginástica, boa alimentação, epino terapia (é uma ginástica "localizada",para o períneo), são algumas coisas que podemos fazer para ajudar o nosso corpo, afinal são muitas transformações acontecendo em um espaço de tempo curtíssimo! E o momento do parto exige um esforço tremendo, estar bem preparada, ajuda bastante!
Preparar nossa estrutura corporal para a passagem do bebê, preparar especificamente o canal por onde o bebê passa, ajuda a não termos tantas intercorrências (como lacerações, dores muito fortes, etc).
Mas lembre-se, cada corpo é um corpo e tem um ritmo diferente, respeite o seu tempo!

4) Prepare seu BOLSO
Acho que essa é a parte mais chata... Mas sim, infelizmente, se você quiser ter um parto digno,você precisa ter uma reserva financeira. Ainda são poucos e raros os serviços públicos que oferecem um atendimento de qualidade, desde os pré-natais até o parto. Estamos começando a caminhar para uma mudança, mas ela é longa e árdua.
Muitos bons médicos não atendem nem por convênios, então é preciso desembolsar uma boa grana para bancar as consultas e o parto - que é bem salgado!

Minha maior dica:
Procure um médico de confiança, invista nesse seu momento, com certeza valerá a pena!!

Se você é novo por aqui e quer saber como foi o parto do Matheus, clique aqui

Espero que tenham gostado das dicas!
Beijos e fiquem com Deus!

CALCULADORA FÉRTIL - COMO USAR

Ao decidir que deseja ter um filho, o casal inicia uma fase importante repleta de descobertas, que incluem um conhecimento mais aprofundado sobre como a gestação se desenvolve. Entre os temas de interesse nessa fase está o ciclo fértil da mulher a cada mês, que permite que o casal tenha relações nos dias nos quais as chances de fertilização são maiores. Uma forma de conhecer essa rotina fértil da mulher é por meio da calculadora fértil.

Quando o casal inicia esse processo é comum buscar auxílio de um obstetra para começar a tomar ácido fólico entre outras medidas comuns. Entretanto, para descobrir qual o período do mês em que as chances são maiores, o conhecimento sobre o ciclo menstrual é fundamental.
imagem retirada da internet

O que é a calculadora fértil?

A calculadora fértil é um mecanismo desenvolvido para permitir que a mulher identifique qual o período fértil dela, de acordo com os dias do ciclo menstrual. A calculadora faz a conta dos dias, sendo que a mulher só precisa informar qual foi o primeiro dia da última menstrual e de quantos dias é o ciclo menstrual dela.

A calculadora fértil é uma versão mais simples e prática da tabelinha, realizada como método anticoncepcional em alguns casos. Devido à simplicidade das informações que devem ser adicionadas a ferramenta, torna-se mais acessível que as mulheres façam esse acompanhamento. É importante lembrar, entretanto, que a tabelinha não é um método anticoncepcional seguro e não evita a transmissão de doenças.

Como usar a calculadora fértil?

Usar a calculadora fértil para realizar o acompanhamento do período fértil, ovulação e ciclo menstrual é simples. No entanto, é comum que haja confusão quanto as informações que devem ser inseridas na ferramenta. Contar errado os dias do ciclo pode resultar em tentativas frustradas de gestação por meses, pois muitas mulheres confundem como a conta deve ser realizada.

O ciclo menstrual se inicia no primeiro dia de menstruação e vai até o dia anterior ao regresso da menstruação seguinte. Esse período irá variar de mulher para mulher, sendo comum ciclos menstruais que têm 20 dias até ciclos de 40 dias.

Outra informação importante que deverá ser inserida na calculadora fértil é o primeiro dia da última menstruação. A data deve ser contada a partir da eliminação avermelhada e não dos resíduos escuros que costumam antecipar à menstruação.

Como identificar os resultados da calculadora fértil?


Após o cálculo, a mulher terá uma visão geral do período fértil dela, com as seguintes informações:
Período fértil: período que contempla sete dias, na calculadora da clínica de reprodução humana, Mater Prime, esses dias estarão em rosa claro no calendário com um coração de cor rosa escuro;
Ovulação: a ovulação dura um período de dois dias, sendo representada por um quadro rosa escuto e dois corações em rosa bebê. Esses são os dias nos quais a concepção tem mais chances de acontecer;
Próxima menstruação: a data de início da menstruação seguinte será indicada por um quadro com cor azul clara.

Utilizando a calculadora fértil a mulher tem oportunidade de conhecer melhor o ciclo menstrual dela e também permite auxiliar casais que estão tentando engravidar.

HISTÓRIAS DA VIDA - ESPECIAL DIA DOS PAIS

Agosto é conhecido como o mês dos pais. Ontem foi o dia em que, tradicionalmente comemoramos essa data e eu acho que a história desse pai merece ser conhecida e esse momento parece ser perfeito para isso.
O Rodrigo é um pai especial! Eu acompanho a história dele há um bom tempo e o admiro demais! 
Fiz o convite para que ele participasse do nosso quadro "Histórias da vida" e ele prontamente aceitou e me enviou esse texto, que mesmo já sabendo de toda sua história, me emocionou novamente!
Se você não conhece, vem conhecer essa incrível história, esse exemplo de amor e dedicação!


Um dia, a Adriana me disse que estava grávida e de gêmeos. Claro que fiquei muito feliz. Mas logo um dos bebês ficou para trás por causa de miomas no útero e tivemos a notícia de que seria uma gravidez complicada - como, de fato, foi.
O Arthur nasceu de 30 semanas, em 09/09/09. Prematuro, saiu da sala de parto e foi direto para a UTI, onde ficou por quatro meses. Lá, logo em seus primeiros dias, desenvolveu uma infecção que atingiu seu intestino. Ele não tinha um mês de vida quando já tinha passado por quatro cirurgias, teve amputado metade de seu intestino delgado, teve dois começos de falência renal e uma parada cárdio-respiratória. Em seus primeiros três anos, era preciso tomar muito cuidado com sua alimentação porque era difícil ganhar peso e sua imunidade era baixa.
Quando o Arthur contava com pouco mais de três anos e ele parecia estar bem, a Adriana sofreu um acidente de carro em abril de 2013 e ficou em coma. Decidi ficar com ela, ajudá-la na recuperação, na cabeceira de sua cama, orando e estimulando-a. Em outubro de 2013, o Arthur reclamou que sentia saudades de mim - e eu entendi que ele estava me dizendo que estava compreensivelmente sem a mãe e inexplicavelmente sem o pai.
Readequei toda a minha vida para ficar com meu filho. Fiz graves e severas mudanças em minha rotina de trabalho e no meu convívio social para poder me dedicar ao Arthur e dar a ele toda a cobertura que ele reivindicou e que precisava enquanto esperávamos pela recuperação da Adriana. Até que a Dri partiu, em julho de 2014.
Claro que ficamos tristes, mas, neste tempo em que ficamos só eu e o Arthur, estabelecemos que a mamãe estaria sempre conosco, acontecesse o que acontecesse. Nosso sentimento pela Adriana passou a ser então de gratidão - por ela ter dado o Arthur à luz, por ela ter se empenhado para que o Arthur vingasse, por ela ter sido uma mãe excepcional e por ter lutado tanto para ficar entre nós. Entendemos que sua partida era a forma de finalmente descansar, não de desistir.
Desde então, eu e o Arthur seguimos sozinhos. Embora seja difícil, não precisa ser triste. Pontuamos nossas vidas com muitas brincadeiras e traquinagens para que a alegria seja polvilhada em cada momento nosso. Inesperadamente, passamos a ser vistos como exemplos, as pessoas se surpreendiam porque, apesar de tudo o que passamos, conseguíamos seguir adiante. Palavras como superação, resiliência, auto-eficiência passaram a ser muito associadas a mim e ao Arthur.
Um dia, o UOL quis fazer uma reportagem a nosso respeito (bit.ly/tudopelomeufilho) e milhares de pessoas passaram a nos procurar, contando suas histórias e querendo saber de nossa experiência. Foi uma vivência tão rica que decidi fazer um blog no Facebook para o Arthur, chamado "Tudo pelo meu filho" (www.facebook.com/tudopelomeufilho), o qual em um mês e meio atingiu 9 mil curtidas. Pela proximidade do dia dos pais, chamou a atenção de jornais, rádios e até da afiliada local da Rede Globo (bit.ly/tvtemdiadospais).
Certa vez, um amigo me falou que ser popular no Facebook era igual a ser rico no Banco Imobiliário e que o rosto que estampa a capa do jornal hoje é aquele que será borrado pelo cocô do gato e molhado pelo xixi do cachorro amanhã. Concordo com ele. Por isso, não me deslumbro com esta fama, mas eu a acho interessante.
Quando estive no hospital, seja por causa do Arthur, seja por causa da Adriana, tudo o que eu queria era ter alguém com quem conversar, para contar o que eu estava sentindo, que pudesse me dizer que sabia que tudo aquilo iria passar. Várias pessoas apareceram em meu caminho com este propósito e algumas até me ajudaram. Mas, no final, eu estava sempre sozinho. Minha proposta é não deixar ninguém sozinho, é estar sempre à disposição para conversar, para trocar ideias e ajudar.
Quando me convidaram para escrever neste blog, foi com este propósito que aceitei: para lhes dizer que estou aqui. 
Conheçam nossa página "Tudo pelo meu filho" (www.facebook.com/tudopelomeufilho), curtam, compartilhem seu conteúdo, comentem em nossas postagens. Será um prazer interagir com vocês. Hoje, o Arthur está ótimo! Vivemos grandes aventuras juntos! Todos estão convidados a virem conosco! Sejam bem-vindos!

Rodrigo e Arthur, que Deus continue abençoando a vida de vocês para que continuem polvilhando alegria por onde passam!
Obrigada por compartilharem um pouco da história de vocês!







COMO CONTEI QUE ESTAVA GRÁVIDA AOS MEUS PAIS

Pra quem não sabe, ou não lembra, quando eu descobri que estava grávida do Arthur levei um susto pois não foi algo planejado.
Hoje vim contar para vocês como meus pais ficaram sabendo que eu estava grávida. Foi tenso, mas hoje é motivo de muitas risadas!!

Quer saber como foi?
Dá o play então!

APLICATIVOS FAVORITOS DOS MENINOS

Tecnologia, tecnologia...
Usar ou não usar?
Deixar ou não deixar?
Ó vida, ó céus!

É, hoje em dia ela faz parte da nossa vida, querendo ou não!
Mas é claro, com bom senso e muito cuidado, podemos ter um relacionamento saudável com ela!
Vem ver o que eu acho disso e também quais aplicativos os meninos mais curtem!

PROJETO #30VEMCOMTUDO

Quando eu estava prestes a completar 29 anos, me senti em meio a um turbilhão de sentimentos! Muitos pensamentos afloravam de mim, muitos questionamentos, muitas mudanças de postura.

Eu acredito sim que o ser humano passe por crises e acredito também que elas sirvam para que nosso organismo (tanto biológico, quanto psicológico), sofra amadurecimentos necessários à nossa evolução.
Tudo o que nos desestabiliza, nos coloca em um novo eixo e devemos sempre aprender com isso.

Assim, eu pensei em um projeto que englobasse toda a minha qualidade de vida, pensado para cada segmento dela, visando aperfeiçoar, mudar, transformar, continuar...

É com muito prazer que inauguro: 30 VEM COM TUDO!